Partido recolhe 700 assinaturas online em abaixo assinado contra leitura da bíblia

Categorias Câmara Municipal, Notícias

O PSol (Partido Socialismo e Liberdade) de Araras já conseguiu mais de 700 adesões a seu abaixo assinado para que a Câmara de Araras não adote a leitura da bíblia cristã dentre seus procedimentos.

A polêmica começou com uma indicação feita pelos vereadores Marcelo de Oliveira (PRB), Deise Olímpio (PSC) e Regina Corrochel (PTB) que pediram, por indicação, que o presidente do Legislativo, Pedro Eliseu Sobrinho (DEM) adotasse a leitura da bíblia no início dos trabalhos semanais da Casa de Leis.

Eliseu nunca se aprofundou no tema e sem polemizar não adotou a leitura do trecho bíblico como requeria o trio vinculado à Igreja do Evangelho Quadrangular. Com a rejeição silenciosa do presidente da Casa, novamente os vereadores ligados à Igreja Quadrangular adotaram medidas para viabilizar a leitura bíblica, e apresentaram projeto de resolução que, se aprovado, tornará a leitura da bíblia mais um dos trâmites a serem seguidos dentro da rotina da Câmara.

Conforme Tribuna apurou, de fato há certa liberalidade de procedimentos na Câmara, e em geral os presidentes decidem por alguns ritos – o atual, Pedro Eliseu, sempre profere as palavras “Deus seja louvado” antes dos trabalhos e há também aplausos às bandeiras afixadas no Plenário, como sinal de respeito. Ainda assim, não há obrigatoriedade para tais procedimentos, já que decorrem da convencionalidade de cada presidente.

Com o projeto de resolução proposto por Marcelo, Deise e Regina a medida seria diferente. Isso porque o regimento passaria a prever a leitura bíblica – de fato nenhuma pessoa seria obrigada a ler a bíblia, mas haveria obrigação em se abrir espaço para a leitura do livro religioso.

Contra a medida, o PSol de Araras chegou a publicar, junto ao abaixo assinado, uma nota explicando sobre as razões de defender a laicidade do estado. O partido ainda fez questão de deixar claro que a postura não é antirreligiosa ou descriminatória, mas defendeu que a própria Constituição veda esse tipo de postura – de espaço no Poder Público a um grupo em detrimento de outros, mesmo que este seja maioria.

“É sabido, desde a proclamação da República, que vivemos num Estado Laico. Atualmente, é estabelecido no art. 19, inciso I, da nossa Constituição Federal o seguinte: É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: I – estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes, relações de dependência ou aliança”, reforçou o partido.

“Não esperamos que o poder público se converta em um ente antirreligioso, mas que fomente a pluralidade e não privilegie qualquer religião. Sendo essa uma característica intrínseca das sociedades democráticas mais desenvolvidas: zelar pela relação harmônica entre as mais diversas coletividades religiosas e os mais diversos tipos de ideias e ideais, garantindo, para tanto, a liberdade para crer, para se crer diferente da maioria e, também de suma importância, a liberdade para não se crer”, pontua nota da legenda socialista.

“A presença de imagens religiosas nas dependências da Câmara Municipal de Araras, bem como a leitura bíblica antes das sessões, significa/revela a preferência a grupos religiosos específicos, como católicos e evangélicos, por parte do poder público municipal”, reforçou o partido.

Retirada de símbolos

Apesar do PSol ter insistido para que os vereadores não façam a leitura da bíblia na Câmara, um dos posicionamentos da legenda teria agradado a alguns vereadores, criando uma nova polêmica. A legenda sugere que “retirem os símbolos religiosos da Câmara Municipal e que não levem adiante a proposta de leitura da Bíblia neste espaço”.

O novo problema gerado com isso seria a retirada da imagem de Nossa Senhora do Patrocínio e do crucifixo sobre a Mesa da Câmara. Conforme Tribuna apurou, tal ideia tem a concordância de vereadores ligados a grupos evangélicos, e pode desencadear mais uma polêmica – desta vez incomodando os católicos.

Alguns vereadores já deixaram claro que se a proposta de leitura da bíblia não fosse aceita, poderia haver uma disputa nova, desta vez para a retirada dos símbolos ligados ao catolicismo. Alguns dos edis, contudo, pontuam que a imagem da padroeira de Araras, por exemplo, está na Câmara mais pela tradição e correlação com a fundação da cidade (e por isso teria um vínculo histórico) do que pela relação com grupos católicos.

O PSol defende, ainda por meio de nota, que cada vereador tem o direito de manifestar sua religião, mas pontua que “não coloquem seus afetos religiosos acima do que é melhor para todas as pessoas, isto é, acima do bem comum, e que respeitem a separação entre Estado e Religião e respeitem os demais preceitos democráticos”.

O abaixo-assinado (pode ser acessado clicando aqui) deve ser protocolado na Câmara nos próximos dias por representantes do PSol.

Você pode ler também!

Prefeito Junior Franco nomeia dois novos secretários

Eduardo Severino assume a Secretaria de Habitação, enquanto Beto Cabrini é nomeado para a Secretaria de

Read More...

22° Encontro de Autos Antigos: carreata de veículos acontece neste sábado

A tradicional carreata para promover o Encontro de Autos Antigos de Araras acontece neste sábado (18).

Read More...

Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres recebe homenagem da Câmara Municipal de Araras

O vereador Marcelo de Oliveira (PRB) entregou moções de congratulações aos membros e representantes do Conselho

Read More...

Poste o seu comentário::

Seu E-mail não será publicado.

Mobile Sliding Menu