Decreto quebra ordem cronológica de pagamentos e Prefeitura vai quitar contas prioritárias

Categorias Notícias, Prefeitura de Araras em
- Updated

Um decreto do prefeito Pedrinho Eliseu (PSDB) autoriza a Secretaria Municipal da Fazenda a deixar de realizar pagamentos a fornecedores da Prefeitura seguindo a ordem cronológica – ou seja, o município não vai pagar as contas seguindo a ordem em que elas foram contraídas. Pela lei as despesas contratadas antes deveriam ser pagas antes.

Para adotar a medida a administração se apega a trecho de norma federal que impõe que se siga a estrita ordem cronológica das datas de suas exigibilidades, “salvo quando presentes relevantes razões de interesse público e mediante prévia justificativa da autoridade competente, devidamente publicada”.

Na prática o decreto permite que a Prefeitura pague algumas contas e atrase outros pagamentos. Além disso o decreto oficializa valores a pagar que a Prefeitura diz ter herdado do governo anterior e deixa claro que o governo municipal vai priorizar o fechamento das contas municipais e pagamentos de serviços essenciais em detrimento do que não é considerado prioridade.

Apesar de admitir problemas para fechar as contas, o prefeito Pedrinho Eliseu garante que não há nenhum risco ao 13º salário dos servidores. “O que há é a necessidade de pagarmos antes o que é prioritário. Pagamos mais de R$ 15 milhões de restos a pagar (de administrações passadas), sem contar os R$ 30 milhões da Araprev que parcelamos”, garante Eliseu. Segundo o prefeito, Araras até vai registrar superávit orçamentário em 2017, “mas queremos pagar o que for mais prioritário”.

A justificativa é que como em 2016 não foi feita nenhuma previsão orçamentária para pagamento de complementação à Araprev, a atual administração sofreu agora com problemas orçamentários – já que pagou mais de R$ 8 milhões de janeiro a julho à Previdência Municipal, sendo que tais valores estavam fora das previsões de orçamento de 2017. “É um freio de arrumação, nada mais”, garantiu Pedrinho.

O prefeito admitiu que para quem é fornecedor pode haver certa demora para receber, mas ainda assim deixou claro que esse tempo não deve ser tão longo.

O decreto assinado por ele e pelos secretários da Fazenda – José Luiz Corte – e de Assuntos Jurídicos – José Carlos Martini Junior – considera que até o final do ano passado teriam faltado para quitar todos os débitos assumidos ao menos R$ 10 milhões. No decreto o prefeito considerou que “os credores agrupados na conta de Restos a Pagar em 31/12/2016 já tinham seus créditos respectivos e não pagos” e que “ao se estabelecer a Ordem Cronológica para esses créditos vencidos e componentes da conta de Restos a Pagar conforme dispõe a Lei Federal n°8.666 de 21 de junho de 1993 e suas alterações posteriores, mas precisamente no seu artigo 5º, o Município não terá condições de cumprí-la, eis que os recursos arrecadados no Exercício e destinados a atender despesas do mesmo exercício, terão que cobrir também compromissos vencidos e não honrados em datas oportunas”.

Segundo o documento assinado por Eliseu, “as despesas normais especialmente àquelas relacionadas com educação, saúde, segurança, trinômio de maior evidência no momento, não podem prescindir dos recursos orçamentários e fiscais previstos para o Exercício de 2017, sob pena de o Município ficar estagnado, além de descumprir normas constitucionais”.

Para justificar a quebra na ordem de pagamento o prefeito ainda argumenta que “as atividades Municipais não podem sofrer solução de continuidade, mediante a retirada de recursos já comprometidos destinados a atender suas necessidades, consoante o elenco de receitas e despesas constantes no Orçamento para 2017”.

Para decidir quem vai pagar primeiro a Secretaria da Fazenda, realizando a quebra de ordem cronológica de pagamentos, adotará critérios como “interesse público, consoante a necessidade de se manter a normalidade e a continuidade dos serviços públicos”.

O decreto deixa a decisão a cargo da mesma pasta, a quem “compete exclusivamente” adotar todas as medidas que ela considerar como “necessárias” para que se mantenha a normalidade e a continuidade dos serviços públicos.

Conforme Tribuna apurou, a pasta já estava priorizando alguns pagamentos. O próprio decreto prevê que mesmo entrando em vigor na data de sua publicação, seus efeitos retroagem a janeiro de 2017.

Segundo decreto, recursos de 2016 eram insuficiente para atender compromissos

No decreto que autoriza a Secretaria Municipal da Fazenda de Araras a quebrar a ordem cronológica de pagamentos, o prefeito deixa explícito entendimento que no exercício passado teriam faltado R$ 10 milhões para fechar o caixa.

Segundo o decreto dele, o valor inscrito na conta passiva de “Restos a Pagar” no Balanço Patrimonial em 31/12/2016 era de R$ 30.083.566,40, e que “despesas extras orçamentárias também não pagas” até a mesma data somavam R$ 4.828.176,24 (totalizando R$ 34.911.742,64.

Ainda descreve a publicação municipal que ficou na Conta Ativo Circulante inserido no Balanço Patrimonial do Município o valor de R$ 5.389.663,97 e recursos vinculados no valor de R$ 24.095.786,30, “portanto insuficiente para atender os compromissos assumidos pelo Município até 31/12/2016, conforme disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal”.

O ex-prefeito Nelson Brambilla (PT) não foi procurado para comentar o assunto. Vale destacar que Brambilla sempre reforçou entendimento que a Prefeitura não tinha obrigação de continuar realizando repasses de complementação à Araprev. É justamente este entendimento que gera entendimentos distintos sobre as contas municipais. Como o governo Eliseu entende que esse valor era devido, ele foi repassado, mas acabou fazendo o saldo de 2016 aparecer como negativo – enquanto que para nomes ligados ao ex-prefeito Brambilla o saldo, na verdade, foi positivo ao final de sua gestão.

Fonte: Tribuna do Povo – Site

Decreto ‘quebra’ ordem cronológica de pagamentos e Prefeitura vai quitar ‘contas prioritárias’

Você pode ler também!

Polícia Civil realiza operação em postos de combustíveis de Araras

A Polícia Civil de Araras (SP), realizou na manhã desta sexta-feira (06), uma pequena operação para

Read More...

Polícia prende homem que se passava por bombeiro para aplicar golpes em comerciantes de Araras

Um homem foi preso na tarde de quinta-feira (5) após tentar aplicar um golpe em um

Read More...

Terminal de ônibus da Zona Leste de Araras receberá o nome de João Franchozza – Colêra

Os vereadores aprovaram por unanimidade, na noite da última segunda-feira (2), o projeto de lei de

Read More...

Poste o seu comentário::

Seu E-mail não será publicado.

Mobile Sliding Menu