Burger King é condenado a pagar 8 mil reais por frustrar contratação de trabalhadora em Araras

Categorias Cidade, Notícias

A decisão é da Vara do Trabalho de Araras (SP) município onde ocorreu o episódio. A reclamante apontou que foi aprovada em processo de seleção de pessoal, convocada para a realização de exame admissional e chamada para abrir conta-salário.

Entretanto, após essas confirmações, a autora da ação trabalhista ficou somente na esperança de ser contratada. Ao longo de vários meses no ano de 2018 representantes da empresa continuavam em contato com a trabalhadora e confirmavam que em breve esta seria contratada, mas isso nunca ocorreu.

Nessa longa espera, a trabalhadora contraiu dívidas, deixou de procurar outras colocações no mercado de trabalho e abriu mão de um curso técnico gratuito para se adequar a jornada do futuro empregador. Diante da expectativa de contratação indevidamente frustrada, consagrou-se o dano moral sofrido pela trabalhadora.

A autora foi representada pela advogada Gabriela Dias Barbosa e pelo advogado Breno Zanoni Cortella, ambos do escritório Cortella Advogados.

Na ação, foi apresentada também a tese do desvio produtivo e da perda do tempo útil. “Com origem no Direito do Consumidor, mas aplicada de forma analógica ao Direito do Trabalho, no caso concreto, configura-se o dano pela perda do tempo útil, posto que a trabalhadora se dedicou a cumprir com as etapas do processo de seleção, seguiu os procedimentos requeridos pela firma, trancou um curso, deixou de participar de outros processos de seleção, afora o tempo em que a empresa lhe manteve inutilmente em situação de ‘stand by’, de modo que a contratação prometida foi indevidamente frustrada”, explica a advogada Gabriela Dias Barbosa, pós-graduanda em Direito do Trabalho.

Nesse sentido, a Justiça do Trabalho condenou a empresa de restaurantes pelos danos morais sofridos. Na decisão, o juiz federal de Araras ressaltou que ficou demonstrado claramente que a autora foi comunicada da sua aprovação no processo seletivo e que recebeu a determinação para apresentação da documentação, o que foi devidamente cumprido por ela. E, com isso, o descaso da empresa com trabalhadora ensejou a reparação pelo dano moral indevidamente suportado. “É uma situação que revela a obrigação das empresas em adotarem uma relação justa desde o primeiro contato com os trabalhadores, uma decisão acertada da Justiça do Trabalho, que serve de reparação específica e de advertência geral”, comentou o advogado Breno Zanoni Cortella.

A sentença de primeiro grau foi publicada no dia 26 de janeiro de 2019, ainda cabe recurso.

Fonte: Repórter Beto Ribeiro

Você pode ler também!

Matheus Ceará apresenta seu novo show “Papai é uma piada” em Araras

A Brain e a Teatro GT trazem para o interior do Estado de São Paulo Matheus

Read More...

Câmara aprova projeto que cria o Conselho Municipal do Bem-Estar Animal em Araras

Foi aprovado por unanimidade, na última segunda-feira (20), durante a 16ª sessão ordinária, na Câmara Municipal

Read More...

Câmara de vereadores cria Comissão para efetuar fiscalização preventiva de maus tratos nos animais da Festa do Peão de Araras

Os vereadores aprovaram na última segunda-feira (20), durante a 16ª sessão ordinária, na Câmara Municipal de

Read More...

Poste o seu comentário::

Seu E-mail não será publicado.

Mobile Sliding Menu