Vacina da Pfizer apresenta 94% de eficácia em ‘teste no mundo real’ em Israel

Categorias Mundo em

O primeiro grande estudo da vacina Pfizer/ BioNTech a ser analisado de forma independente no “mundo real” mostra que o imunizante é altamente eficaz na prevenção da Covid-19.

A pesquisa em Israel – que já imunizou quase 50% da população, fornecendo uma rica fonte de dados – mostrou a injeção da Pfizer reduzindo os casos sintomáticos de Covid-19 em 94% em todas as faixas etárias, uma semana após a aplicação da segunda dose.

No mesmo prazo, o imunizante também diminuiu em 92% o risco de se desenvolver um caso grave da doença e em 87% as hospitalizações.

Até agora, a maioria dos dados sobre a eficácia das vacinas contra a Covid-19 são oriundos de ensaios clínicos em condições controladas, deixando incertezas sobre como os resultados se traduziriam no mundo real com outras variáveis imprevisíveis.

O estudo com cerca de 1,2 milhão de pessoas também mostrou que uma única injeção foi 57% eficaz na proteção contra infecções sintomáticas após duas semanas, de acordo com dados publicados e revisados por pares no New England Journal of Medicine na quarta-feira (24).

Os resultados do estudo para o Clalit Research Institute foram próximos aos dos ensaios clínicos no ano passado, que indicaram eficácia de 95% para duas doses da vacina.

“Ficamos surpresos porque esperávamos que no cenário do mundo real, onde a cadeia de frio não é mantida perfeitamente e a população é mais velha e mais doente, você não obteria resultados tão bons quanto nos ensaios clínicos controlados”, disse Ran Balicer, autor do estudo, à Reuters. “Mas nós fizemos e a vacina funcionou bem no mundo real.”

“Demonstramos que a vacina é tão eficaz em subgrupos muito diferentes, em jovens e idosos, sem comorbidades e com poucas comorbidades”, acrescentou.

O estudo também sugere que a vacina, desenvolvida pela farmacêutica americana Pfizer e pela BioNTech da Alemanha, é eficaz contra a variante do coronavírus identificada pela primeira vez no Reino Unido. Os pesquisadores disseram que não podiam fornecer um nível específico de eficácia, mas a variante era a versão dominante do vírus em Israel na época do estudo.

A pesquisa, porém, não lançou luz sobre como como a vacina da Pfizer se sairá contra outras variantes, como a agora dominante na África do Sul, que mostrou reduzir a eficácia de outras vacinas.

Você pode ler também!

Clube do Livro de Araras abre consulta pública para coleta de sugestões de livros a serem debatidos em 2022

O Clube do Livro de Araras abre uma consulta pública para acolher sugestões de livros que serão lidos ao

Read More...

Prefeito realiza reunião com secretariado sobre planejamento estratégico

O planejamento estratégico para o ano 2022 na gestão do prefeito Pedrinho Eliseu foi apresentado nesta segunda-feira (24), em

Read More...

Araras registra 6 óbitos em decorrência da Covid-19 entre os dias 22 e 24 de janeiro

Entre o último sábado (22) e a manhã desta segunda-feira (24), Araras registrou 6 óbitos em decorrência da Covid-19.

Read More...

Mobile Sliding Menu