Marido confessa assassinato de mulher encontrada morta na zona rural de Araras

Categorias Notícias, Polícia

O principal suspeito do assassinato da dona de casa Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos, que foi encontrada morta no domingo (02/12) na zona rural de Araras (SP), acabou confessando o crime durante um novo interrogatório na tarde desta terça-feira (11/12).
O marido Valdecir Anderson Magrini, de 52 anos, admitiu que um dos motivos teria sido ciúmes e seu descontrole emocional.

Entenda o caso
O corpo de Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos em avançado estado de decomposição, foi localizado por populares na noite deste domingo (02/12) na zona rural de Araras (SP), próximo da Estrada Municipal José Estevam Zurita, na região do Aeroporto Municipal Armando Américo Fachini.
O cadáver foi levado para necrópsia e identificação no IML – Instituto Médico Legal de Limeira (SP). A ocorrência foi atendida pela Polícia Militar.

Prisão do suspeito
A Polícia Civil de Araras (SP), realizou um intenso trabalho de investigação que apontaram como suspeito do crime o próprio marido da vítima, por questões de ciúmes e pela não aceitação pelo fim do relacionamento. No momento da prisão que ocorreu no dia (04/12) nossa reportagem falou com Dr. Tabajara dos Santos, que esteve a frente dos trabalhos juntamente com sua equipe.
O carro da família, durante o teste de luminol foram encontrados diversos pontos de sangue, principalmente no porta-malas. Nossa reportagem falou na manhã quarta-feira ( 05/12) com Dr. Tabajara dos Santos.
O luminol que é uma substância, usada pela polícia para detectar vestígios de sangue, provoca uma reação chamada quimiluminescência.
Essa solução, quando borrifada nos locais suspeitos, reage em contato com o ferro presente na hemoglobina do sangue e libera uma luz azulada, suficientemente forte para ser vista no escuro.

Corpo identificado
Na tarde desta quinta-feira (06/12) o Setor de Investigações Gerais da Polícia Civil recebeu o resultado do Instituto de Indentificação Ricardo Gumbleton Daunt de São Paulo, que apontou que o corpo localizado na zona rural de Araras (SP), no domingo (02/12) é de fato da dona de casa Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos que estava desaparecida desde o dia 22/11.
A informação foi divulgada pelo Dr. Tabajara Zuliani dos Santos, delegado responsável pelas investigações do crime que apontam o marido como autor do feminicídio.
O feminicídio mata mais de milhares de mulheres por dia e tem como principal agente alguém próximo da vítima, como o companheiro ou até um parente, como foi o caso da dona de casa Maria Helena Cardoso de Moura Magrini. O que todos os casos têm em comum é o fato de que as vítimas são sempre mulheres coagidas a cumprir determinado papel que lhes é forçosamente imposto, aquelas que não seguem o modelo acabam por serem punidas por não se encaixar, e o agressor quase sempre é exaltado por ter reprimido o que ele considera como inferior. Dessa maneira, as mulheres perdem o direito à autonomia e à própria vida.

Fonte: Repórter Beto Ribeiro

Você pode ler também!

IMPERDÍVEL! Stand-up “Nói que é pobre” chega em Araras

A Teatro GT traz para o interior do estado de São Paulo o stand-up do humorista

Read More...

Incêndio destrói cozinha de casa em Araras

Um incêndio destruiu a cozinha de uma casa na madrugada desta quarta-feira (17), em Araras (SP).

Read More...

Homem é preso suspeito de abusar da filha durante seis anos em Araras

Um homem foi preso nesta terça-feira (16) suspeito de abusar a filha, de 14 anos, em

Read More...

Poste o seu comentário::

Seu E-mail não será publicado.

Mobile Sliding Menu