Marido confessa assassinato de mulher encontrada morta na zona rural de Araras

Categorias Notícias, Polícia

O principal suspeito do assassinato da dona de casa Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos, que foi encontrada morta no domingo (02/12) na zona rural de Araras (SP), acabou confessando o crime durante um novo interrogatório na tarde desta terça-feira (11/12).
O marido Valdecir Anderson Magrini, de 52 anos, admitiu que um dos motivos teria sido ciúmes e seu descontrole emocional.

Entenda o caso
O corpo de Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos em avançado estado de decomposição, foi localizado por populares na noite deste domingo (02/12) na zona rural de Araras (SP), próximo da Estrada Municipal José Estevam Zurita, na região do Aeroporto Municipal Armando Américo Fachini.
O cadáver foi levado para necrópsia e identificação no IML – Instituto Médico Legal de Limeira (SP). A ocorrência foi atendida pela Polícia Militar.

Prisão do suspeito
A Polícia Civil de Araras (SP), realizou um intenso trabalho de investigação que apontaram como suspeito do crime o próprio marido da vítima, por questões de ciúmes e pela não aceitação pelo fim do relacionamento. No momento da prisão que ocorreu no dia (04/12) nossa reportagem falou com Dr. Tabajara dos Santos, que esteve a frente dos trabalhos juntamente com sua equipe.
O carro da família, durante o teste de luminol foram encontrados diversos pontos de sangue, principalmente no porta-malas. Nossa reportagem falou na manhã quarta-feira ( 05/12) com Dr. Tabajara dos Santos.
O luminol que é uma substância, usada pela polícia para detectar vestígios de sangue, provoca uma reação chamada quimiluminescência.
Essa solução, quando borrifada nos locais suspeitos, reage em contato com o ferro presente na hemoglobina do sangue e libera uma luz azulada, suficientemente forte para ser vista no escuro.

Corpo identificado
Na tarde desta quinta-feira (06/12) o Setor de Investigações Gerais da Polícia Civil recebeu o resultado do Instituto de Indentificação Ricardo Gumbleton Daunt de São Paulo, que apontou que o corpo localizado na zona rural de Araras (SP), no domingo (02/12) é de fato da dona de casa Maria Helena Cardoso de Moura Magrini, de 48 anos que estava desaparecida desde o dia 22/11.
A informação foi divulgada pelo Dr. Tabajara Zuliani dos Santos, delegado responsável pelas investigações do crime que apontam o marido como autor do feminicídio.
O feminicídio mata mais de milhares de mulheres por dia e tem como principal agente alguém próximo da vítima, como o companheiro ou até um parente, como foi o caso da dona de casa Maria Helena Cardoso de Moura Magrini. O que todos os casos têm em comum é o fato de que as vítimas são sempre mulheres coagidas a cumprir determinado papel que lhes é forçosamente imposto, aquelas que não seguem o modelo acabam por serem punidas por não se encaixar, e o agressor quase sempre é exaltado por ter reprimido o que ele considera como inferior. Dessa maneira, as mulheres perdem o direito à autonomia e à própria vida.

Fonte: Repórter Beto Ribeiro

Você pode ler também!

Temperatura deve despencar em Araras no próximo fim de semana, mostra previsão

Uma nova frente fria deve chegar ao estado de São Paulo entre quinta e sexta-feira desta

Read More...

Araras fecha Jori 2019 com cinco medalhas

Com um ouro, duas pratas e dois bronzes, equipe coordenado pela Secretaria Municipal ficou na 10ª

Read More...

Concurso Público: candidatos devem ficar atentos aos horários de fechamento dos portões

Provas acontecem neste domingo (26), no Unar e na Uniararas; na parte da manhã, os portões

Read More...

Poste o seu comentário::

Seu E-mail não será publicado.

Mobile Sliding Menu